Todo mundo deseja uma cozinha moderna, prática, equipada e sofisticada. Mas onde muitas vezes sobram sonhos falta espaço. É possível ter a cozinha dos sonhos em espaços reduzidos? A resposta é sim! Com muito planejamento e adequações, tudo é possível.


Aproveitando a tendência do conceito aberto, derrubar paredes e integrar a cozinha à sala de jantar ou mesmo à sala de estar é uma boa alternativa. Neste caso é fundamental investir em uma boa coifa para garantir que a gordura e fumaça não se espalhe pela casa.


As ilhas também são uma solução perfeita para armazenar utensílios, criar áreas de manuseio, abrigar cooktops e até mesmo fazer as vezes de mesa, quando não há espaço para uma sala de jantar mais convencional.


Atenção especial para as cores e materiais. Cozinhas de uma forma geral pedem cores claras e nas pequenas elas realmente cumprem a função de ampliar a sensação de espaço, assim como os vidros, espelhos e superfícies refletivas como a laca e o alumínio. Mas isso não significa que toques de cores mais escuras não sejam possíveis.


Livre-se de todos os excessos. O grande segredo para as cozinhas pequenas é manter sempre um aspecto cleam, minimalista mesmo. Nada de utensílios e eletrodomésticos expostos. Já no planejamento é fundamental pensar em todos os utensílios e no lugar para guardá-los.


Uma boa iluminação faz toda a diferença em um ambiente pequeno. Se a cozinha possui janela é importante aproveitar essa luz natural, caso contrário um bom projeto de iluminação é imprescindível.




3
Charles Rennie Mackintosh e Margaret MacDonald
A história do design moderno e contemporâneo não pode ser contada sem citar os casais que, com amor e muito talento, projetaram e construíram uma nova relação do homem com seu habitat.

Ray e Charles Eames
Tudo começou com Charles Rennie Mackintosh e Margaret MacDonald, fundadores da icônica Glasgow School e da Art Nouveau na virada do século 19 para o século 20. Depois, em meados de 1900, vieram duos famosos como Charles e Ray Eames, Aline e Eero Saarinen, Florença e Hans Knoll, que são lembrados por suas contribuições marcantes para a arquitetura e o design.

Aline e Eero Saarinen
Podemos incluir na lista parcerias de sucesso como a dos designers Anne Ferrieri e Giulio Castelli que resultou no nascimento de Kartell, Claude e François-Xavier Lalanne que influenciaram a escultura contemporânea, os arquitetos Anne Tyng e Louis Kahn e os interdisciplinares Quasar e Emmanuelle Khanh.

Anne Ferrieri e Giulio Castelli
Mesclando paixões e talentos, unindo o útil ao agradável, a fórmula continua a revelar uniões super criativas e produtivas. E quem pode resistir ao fascínio de um romance funcional?



Como duas metades de um todo, a designer gráfica Katy Taplin e o designer industrial Adriaan Hugo completam um ao outro. O trabalho deles na Dokter and Misses, misturando iluminação e mobiliário, surge da sensibilidade colorida de Taplin e das habilidades técnicas de Hugo. Sua premiada série "Kassena", uma linha de armários pintados à mão, ilustra perfeitamente o resultado desta síntese impressionante.



No dark side do design, Lauren e Christian Larson Swafford são conhecidos por seus móveis esculturais. O casal sediado em Nova York, com sua Material Lust, cria formas brutas com técnicas de produção surpreendentes e uma abordagem deliciosamente original.


Filho do icônico designer belga Maarten Van Severen, Hannes Van Severen tem modernismo no seu sangue mas seu potencial só veio à luz quando ele conheceu a artista Fien Muller. Ambos com formação clássica como escultores, fizeram sua coleção de estréia logo após o nascimento do primeiro filho.



Interessados no conceito mais que a função, o casal Sophie Mensen e Oskar Peet, do Studio Os & Oos, tem os pés na sutil fronteira entre arte e design. Habilmente executadas, suas peças trazem um renovado sentimento de admiração para o lugar-comum.



Alexander Groves e Azusa Murakami do Studio Swine transformam plásticos encontrados no Atlântico Norte em objetos de mesa coloridos, forjar conexões entre o passado e o futuro.



Vavara Guljajeva e Mar Canet estão juntos desde 2009 em uma relação de afeto que abrange a tecnologia e a arte. Como resultado, o desenvolvimento de métodos de produção é uma parte fundamental de sua prática comum, criando técnicas de fabricação pioneiras.


Fonte: Artsy
0

A UNESCO - Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura proclamou 2015 como o Ano Internacional da Luz com o objetivo de mostrar a importância da luz na criação de um futuro mais sustentável e pacífico, chamando a atenção para as tecnologias baseadas na luz.


O lançamento oficial se deu em 19 de janeiro em Paris, mundialmente conhecida como “A Cidade Luz”. Em todo o mundo vem acontecendo eventos variados na busca de soluções aos desafios mundiais de energia, educação, agricultura e saúde, com foco no potencial transformador da tecnologia neste século, assim como a própria luz revolucionou nossas vidas no século XX.


A própria UNESCO está reunindo as sociedades científicas, instituições educacionais, Organizações Não Governamentais (ONGs) e o setor privado para defender o uso de tecnologias que melhorarem a qualidade de vida nos países desenvolvidos e em desenvolvimento.


Nestes tempos em que as questões ambientais e o esgotamento dos recursos hídricos do planeta é cada vez mais preocupante, a sustentabilidade é sempre uma pauta prioritária e um novo posicionamento dos governos, da indústria e de todos nós se faz muito necessário. Precisamos mudar nossa atitude em relação a tudo o que envolve recursos não-renováveis.

Racionalizar, reciclar e reaproveitar são as palavras de ordem para mantermos as conquistas que hoje se fazem indispensáveis ao nosso dia-a-dia, além de garantir que novos avanços aconteçam na ciência e na tecnologia. Sem luz, voltaremos à escuridão da Idade Média.
0

Começa hoje e vai até 26 de julho o Rio Academy - Fórum Internacional de Arquitetura e Urbanismo, reunindo no MAM RJ um time de grandes pensadores para discutir o futuro das cidades em países emergentes.
Com o tema Observe Aprenda Produza, os workshops, palestras e conferências giram em torno de cinco temas: mobilidade, urbanismo espontâneo, patrimônio, desigualdade e soluções efêmeras. Voltado para profissionais e estudantes da área, o Rio Academy tem como proposta dar a palavra a profissionais experientes e motivar a produção de trabalhos sobre os temas. Os melhores trabalhos receberão prêmios em dinheiro.



Em sua primeira edição, o Rio Academy já é considerado o maior forum do gênero na América Latina e, abrindo o evento, teremos dois laureados pelo prêmio Pritzker: o brasileiro Paulo Mendes da Rocha e o francês Christian de Portzamparc.


Confira a programação do evento que conta tambémn com a participação da Triptyque Architecture, Jaime Lerner, Alejandro Aravena, Giancarlo Mazzanti e do escritório BIG (Bjarke Ingels Group), entre outros.

Acompanhe a página do Rio Academy no Facebook: facebook.com/rioacademy2015.



0
Brigitte Bardot
A Peacock Chair (Cadeira Pavão), com seu encosto alargado e trama trabalhada em desenhos complexos, teve sua origem provavelmente, na Ásia e era uma espécie de trono para as realezas tribais.
No século 19 elas chegaram aos Estados Unidos e Inglaterra, quando o gosto pelo exótico selvagem estava em alta na decoração. Se tornaram populares em varandas e jardins de ricas residências e indicavam status.


Na belle epoque dos anos 20 elas ressurgiram rapidamente e só nas décadas de 60 e 70 voltariam com força total na decoração de mansões da riviera francesa e italiana, onde celebridades do jet set internacional tiravam férias e posavam para fotos que circulavam o mundo nas páginas das revistas.

Morticia Adams
Ela foi eternizada também por Mortícia Adams, apareceu nos filmes hawaiianos de Elvis Presley e era o trono de Ricardo Montalbán em A Ilha da Fantasia.
Da década de 60 para cá a Peacock Chair ganhou inúmeras versões e inspirou dezenas de designers em versões mais modestas ou ainda mais apoteóticas.


A lista de celebridades que já posaram para fotos em uma Peacock Chair é tão longa quanto às variações de modelos que essa cadeira já teve. Duas listas que parecem intermináveis. De Brigitte Bardot e Truman Capote à Madonna e Michele Obama, passando por editoriais de moda da Vogue, quando é necessário imprimir um ar despretensiosamente poderoso, basta uma Peacock Chair no cenário.


Elizabeth Taylor

Jimmy Page


Madonna
Rick Wakeman




Bette Davis
Vogue Editorial
Cat Power
Vogue


Jessica Alba
Marilyn Monroe
Marlene Dietrich


Salma Hayek
Truman Capote 


0

Labels